Notícias



Recomendações Q+50 Bahia para o Centro de Salvador

Divulgada em 24/08/2013, em Salvador.

CONHEÇA AS DIRETRIZES DAS RECOMENDAÇÕES DOS PARTICIPANTES DO SEMINÁRIO Q+50 BAHIA PARA O CENTRO DE SALVADOR

1. Centro e centralidade

1.1. Consolidação da noção de Centro como área maior e mais diversificada que o Centro Histórico

1.2. Perda de referência do centro de Salvador

1.3. É preciso resgatar a centralidade do Centro – simbólica e referencial, mas também como espaço de atração metropolitana

1.4. Centro como espaço simbólico da diversidade, do encontro dos dessemelhantes e da manifestação da cidadania

1.5. O centro como área de adensamento intraurbano da Cidade do Salvador

1.6. Ocupação de edifícios e terrenos que estão desocupados (ERCAS levantou 1.500 imóveis desocupados no centro)

1.7. Concentração dos órgãos da administração pública no centro, especialmente o poder municipal

2. Centro, políticas públicas e participação

2.1. Atração do capital privado, a partir de planejamento elaborado pelo poder público, com a participação das três esferas e da sociedade

2.2. Gestão integrada, com a participação articulada das três esferas de poder e da sociedade

2.3. Políticas tributárias: instrumentos fiscais para estímulo a novos empreendimentos habitacionais, contribuição de melhorias e IPTU progressivo para imóveis desocupados ou subutilizados

2.4. Implementação de estratégias de convencimento do capital privado de investimento a favor do planejamento

2.5. Implementação de estratégias visando à superação do preconceito em relação aos processos de reabilitação e recuperação de áreas de interesse patrimonial

2.6. Segurança pública e patrimonial (combate a incêndio incluído)

3. Centro, mobilidade e acessibilidade

3.1. Transporte de massa

3.2. Ascensores urbanos (elevadores, planos inclinados, teleféricos, escadas rolantes), passarelas

3.3. Calçadas

3.4. Criação de rede de estacionamentos

3.5. Sinalização urbana

3.6. Acessibilidade universal

4. Centro e infraestrutura

4.1. Espaços públicos

4.2. Infraestrutura técnica

5. Centro e diversidade de usos: a proximidade entre a habitação e outros usos favorece a mobilidade urbana, estimula o uso de transporte não motorizado e, consequentemente, favorece a segurança.

5.1. Habitação: estratégia plural de oferta de habitação (para diversos níveis de renda), incluindo HIS

5.2. Comércio e serviços: diversificação e fortalecimento das atividades de comércio de bens de comparação e de conveniência e de serviços

5.3. Cultura

5.3.1. Patrimônio cultural

5.3.2. Equipamentos culturais: concentra os principais equipamentos culturais de Salvador (teatros, museus, cinemas de arte, etc.)

5.4. Equipamentos sociais: adequação e ampliação da oferta de equipamentos sociais na área, tais como hospitais, postos de saúde, escolas, creches, centros de assistência social, biblioteca, etc.

5.5. Educação: Diversas faculdades privadas vêm se instalando no centro, especialmente no bairro do Comércio, nos últimos anos / Instalação de campi universitários, inclusive de universidades públicas

5.6. Turismo

5.6.1. Ampliação da oferta de hotéis, pousadas e albergues

5.6.2. Criação de um centro de convenções

O Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento da Bahia (IAB-BA) realizou, nos dias 23 e 24 de agosto, o sexto ciclo dos Seminários de Política Urbana Quitandinha+50. Com o tema “Esvaziamento dos Centros: a dinâmica urbana e a expansão incontrolável”, o Q+50 aconteceu no Auditório Alfredo Britto, na Faculdade de Medicina da Bahia, localizado no Centro Histórico de Salvador. O evento teve transmissão ao vivo através do portal do IAB-BA e os vídeos serão disponibilizados em breve.

 



Sede

Edifício dos Arquitetos
Ladeira da Praça nº 9, Centro

(71) 3335-1195
iab-ba@iab-ba.org.br

Escritório Executivo

Ed. Raphael Gordilho, Av. Lucaia 317, sala 203,
Rio Vermelho, CEP 41940-660 Salvador, BA


Institutos de Arquitetos do Brasil - Departamento da Bahia. © 2020. Todos os direitos reservados.