Boletim Notícias



INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM CONSERVAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE MONUMENTOS E NÚCLEOS HISTÓRICOS DA UFBA ESTÃO PREVISTAS PARA NOVEMBRO

Interessados no Mestrado Profissional em Conservação e Restauração de Monumentos e Núcleos Históricos da UFBA já podem se preparar para o processo seletivo. A coordenação do mestrado informou que o edital de seleção deverá ser aberto ainda no mês de novembro e as inscrições deverão seguir até meados do mês de janeiro do próximo ano. Já o processo seletivo está previsto para fevereiro de 2016. O semestre letivo do próximo ano, ainda está sem previsão de início, devido à greve de professores e funcionários da UFBA, que já dura mais de quatro meses.

O é curso gratuito, com a duração de dois anos (quatro semestres, sendo os três primeiros necessariamente presenciais), voltado, exclusivamente, a arquitetos e engenheiros. Acolhe alunos brasileiros e estrangeiros legalmente residentes no país – mas também discentes (sem residência no Brasil) provenientes de toda América Latina, África de língua portuguesa e Portugal, desde que sejam aprovados no processo seletivo e tenham disposição para freqüentar o curso em toda a sua fase presencial.

PROCESSO SELETIVO – O Edital do Processo Seletivo ainda não pôde ser aberto e divulgado por conta de problemas operacionais vinculados à greve de professores e funcionários da Universidade Federal da Bahia. No entanto, pode-se antecipar que, provavelmente, serão oferecidas 16 vagas para brasileiros ou estrangeiros legalmente residentes no Brasil e 04 vagas para estrangeiros não residentes – latino-americanos, africanos lusófonos e portugueses.

 

As vagas, exclusivas para candidatos que possuam graduação em arquitetura e urbanismo, ou para aqueles com formação em Engenharia Civil, são para ingresso no primeiro semestre letivo de 2016.

A coordenação do mestrado antecipa que, para além de uma série de documentos que precisam ser apresentados no processo seletivo – e que serão detalhados no edital a ser lançado no mês de novembro –, os candidatos precisam apresentar um Curriculum Vitae atualizado e uma Proposta de Estudos.

 

Esta Proposta de Estudos deve contemplar a indicação de um edifício ou conjunto urbano em qualquer lugar do Brasil, da América Latina, Portugal e África, que será trabalhado durante o curso através da elaboração de um projeto arquitetônico, e/ou urbanístico, e/ou tecnológico de intervenção. Logo, é importante buscar, junto aos órgãos de salvaguarda do patrimônio (por exemplo), possíveis temas (edifícios ou núcleos urbanos que necessitem de um projeto de conservação, restauração, requalificação, revitalização) para desenvolvimento durante o curso.

 

A Proposta de Estudo a ser apresentada no processo seletivo visa à avaliação, por parte da banca examinadora, do tema escolhido pelo candidato para que sirva como produto essencial para o desenvolvimento do Trabalho Final do MP-CECRE – caso o proponente seja aprovado.

 

Por isso é essencial um esclarecimento sobre o que é este Trabalho Final. O Trabalho Final desenvolvido durante o mestrado profissional é defendido em banca pública, tal qual qualquer produto conclusivo de um curso de pós-graduação stricto sensu no Brasil. No entanto, ele não se confunde com uma dissertação de mestrado acadêmico propriamente dita, apesar de todo embasamento teórico-crítico necessário para apoiar e justificar as decisões vinculadas ao conteúdo técnico e criativo elaborado. Ou seja, é um projeto arquitetônico ou de engenharia completo, que afeta a recuperação de uma preexistência edificada ou urbana de interesse cultural, com todos os aportes necessários para a sua aplicação no “mundo real”.

 

Mais que a simulação de um projeto arquitetônico, urbanístico ou de engenharia (como é praticado nos cursos de graduação em arquitetura e urbanismo, por exemplo), é, de fato, um trabalho profissional, desenvolvido durante os quatro semestres letivos do curso, com o apoio de inúmeros professores expertos na área – professores permanentes, colaboradores e visitantes, de diversos estados e inúmeros países, bem como consultores de projeto que dão sua contribuição na orientação dos alunos.

 

Assim, o projeto que cada estudante realiza durante as edições do curso como atividade acadêmica – mas também como atividade profissional – deve estar enquadrado em uma das três categorias apresentadas abaixo:

 

– Projetos de áreas ou conjuntos de interesse histórico e cultural – tendo como premissa, além da recuperação do sítio histórico através da proposta de intervenção projetual, a definição de critérios e diretrizes para a sua preservação e/ou requalificação.

 

 – Projetos de intervenção em edificações – que têm como objeto a conservação, restauração, revitalização, requalificação, assim como a adaptação do objeto arquitetônico escolhido às novas dinâmicas contemporâneas.

 

– Projetos de restauração estrutural ou de instalações – ou seja, propostas de cunho tecnológico, geralmente desenvolvidas pelos alunos que ingressam no curso com a formação de Engenharia.

 

PROPOSTA DE ESTUDOS – A Proposta de Estudos deverá ter no máximo 15 páginas escritas sendo, porém, ilimitada no que concerne ao acolhimento de material gráfico e iconográfico relativo ao edifício ou sítio urbano a ser trabalhado. Ou seja, é muito importante a vasta inclusão de imagens antigas do objeto escolhido (se houver); a apresentação de inúmeras fotografias recentes mostrando o valor da edificação ou área urbana, bem como seu estado de degradação; além de material gráfico antigo e atual do objeto – mapas, plantas, cortes, elevações, simulações tridimensionais, croquis (se houver). Logo, a Proposta de estudo deverá estar estruturada da seguinte forma:

 

TÍTULO

 

1. Tema: apresentação do objeto de estudos (edificação ou sítio histórico degradado).

 

2. Objeto: breve histórico do objeto de estudo, seguido de análise arquitetônica e/ou urbanística – texto ilustrado com imagens antigas e recentes, bem como outras referências iconográficas e visuais.

 

3. Documentação gráfica: desenhos técnicos cadastrais do edifício ou núcleo histórico a ser trabalhado – mapas, plantas, cortes, elevações, simulações tridimensionais, croquis, etc.

 

4. Documentação iconográfica: imagens antigas e vasto acervo de fotografias recentes (de preferência feitas pelo candidato) do objeto escolhido.

 

5. Justificativa: justificativa da escolha do objeto para o desenvolvimento do Projeto de Intervenção no MP-CECRE.

 

6. Objetivos: objetivo geral e objetivos específicos do Projeto de Intervenção a ser elaborado no MP CECRE.

 

7. Referências Bibliográficas: referências utilizadas na elaboração da Proposta de Estudos.

 

SOBRE BOLSA DE ESTUDOS – Para ter acesso à bolsa, o aluno não pode ter vínculo empregatício e/ou estatutário remunerado durante toda a vigência do auxílio. Segundo a coordenação, é provável a distribuição de cinco bolsas no início do curso – para brasileiros, estrangeiros legalmente residentes no Brasil, ou estrangeiros que venham morar no país para cursar o mestrado profissional. Aqueles que não forem contemplados de imediato, consigam o auxílio a partir do mês de julho de 2016.

 

Informações

Qualquer dúvida pode ser esclarecida através do endereço institucional: cecre@ufba.br



Sede

Edifício dos Arquitetos
Ladeira da Praça nº 9, Centro

(71) 3335-1195
iab-ba@iab-ba.org.br

Escritório Executivo

Ed. Raphael Gordilho, Av. Lucaia 317, sala 203,
Rio Vermelho, CEP 41940-660 Salvador, BA


Institutos de Arquitetos do Brasil - Departamento da Bahia. © 2020. Todos os direitos reservados.