Boletim Notícias



ARTIGO: DESTRUINDO A CULTURA

Arquiteto Antonio Lins

Um conjunto arquitetônico da Bahia colonial, de grande relevância cultural, acaba de ser demolido. Precisamente 12 construções do século XIX, situadas na lendária Ladeira da Montanha, além de outras tantas na Ladeira da Conceição, todas tombados pelo IPHAN, que nada faz, de concreto, para conter tal degradação.

Quando estive à frente da Fundação Gregório de Mattos, em 2008, elaborei, juntamente com o arquiteto Juca Gonçalves, projeto que representava uma oportunidade para reestruturar o centro histórico da cidade, por parte do Governo municipal, em parceria com a União.

A prefeitura capitanearia uma ação fundamental para a cidade, devolvendo a centralidade legítima, à dignidade e a beleza que foram perdidas pelo Centro antigo. Pretendia mobilizar o imaginário convocante da cidade, consolidando o centro como um grande espaço cultural de Salvador.  O seu complexo cultural conjugaria interesses econômicos, políticos e sociais por um viés cultural, lastreado em um pensamento arquitetônico e urbanístico aprofundado, que projetaria suas relações com a cidade, seria seu novo cartão postal, sua marca indelével. O projeto propunha um conjunto de intervenções que atrairia investimentos, geração de renda e empregos, trazendo aumento de arrecadação, e gerando um círculo virtuoso relativo à recuperação cultural e sócio-imobiliário-urbanístico daquele trecho fundador da cidade da Bahia.

Salvador é uma cidade caracterizada por sua especificidade cultural, resultado da combinação  entre os modos de ser de sua gente e a implantação de seu extraordinário patrimônio arquitetônico, artístico e natural. A requalificação sustentável de seu patrimônio histórico é central para qualquer propósito de desenvolvimento da cidade e sua destinação.

As intervenções proposta no projeto estão localizadas na área central da cidade, entre a parte alta e baixa e compõem um conjunto de ações que seriam implementadas pela Prefeitura, em parceria com a iniciativa privada e a participação da comunidade.

O projeto gravitaria em torno de dois eixos, que seriam os seus principais equipamentos culturais: Fórum Cultural e de Negócios, Museu da Imagem e do Som, e o Centro de Convenções e Eventos Culturais, espaço multiuso que permitiria a realização dos mais variados eventos. Estratégico para a rede hoteleira que pretendia implantar-se no entorno. Situado na parte superior da encosta, a proposta integraria dois estacionamentos subterrâneos, sendo um com acesso pela parte baixa da Ladeira da Preguiça e outro, com acesso na confluência da ladeira da Montanha e Rua Carlos Gomes. Suas principais vantagens seriam melhorar a acessibilidade e mobilidade urbana e estimular o comércio local, além de vir responder a uma grave lacuna, a inexistência de um equipamento cultural que contasse a história da cidade do Salvador.

O Museu da Cidade seria um novo equipamento que abrigaria o Arquivo Histórico Municipal, atualmente degradado no fundo do poço de um velho prédio na Rua Chile, onde está situada a Fundação Gregório de Mattos.

O Museu seria a memória visual da civilização baiana. Com maquetes e ênfase em uma expografia que privilegiasse a informação, com recursos eletrônicos e digitais; um mergulho na história da cidade, em seus mais variados aspectos. Seria concebido como um dinâmico centro de conhecimento e saber; uma permanente reflexão sobre o passado como maneira de pensar o presente e desenhar cenários do futuro.

Parte dos velhos, abandonados e degradados casarios, seriam recuperados, e deveriam fazer parte de um conjunto de atividades culturais, paralelamente a outras atividades de serviços e comércio. É preciso que os nossos governantes compreendam que a par de sua importância identidária, a cultura representa 7% do nosso PIB.  Salvemos, pois, Salvador, urgentemente, antes que o tsunami da mediocridade acabe com o pouco que ainda resta da velha e barroca cidade dos nossos antepassados.



Sede

Edifício dos Arquitetos
Ladeira da Praça nº 9, Centro

(71) 3335-1195
iab-ba@iab-ba.org.br

Escritório Executivo

Ed. Raphael Gordilho, Av. Lucaia 317, sala 203,
Rio Vermelho, CEP 41940-660 Salvador, BA


Institutos de Arquitetos do Brasil - Departamento da Bahia. © 2020. Todos os direitos reservados.